Milton Nascimento “Tarde”

miltontarde_image

Produzido pela MP,B Produções e Nascimento Música, a nova turnê de um dos maiores artistas da música brasileira chega ao Rio no próximo dia 16, no Teatro Bradesco, num formato totalmente diferente e nunca antes visto em nenhum de seus mais de cinquenta anos de carreira.

Como pode um criador se reinventar após vender mais de vinte milhões de discos, rodar o mundo algumas dezenas de vezes, ter conquistado cinco Grammys e gravado 40 discos? Entre uma turnê e outra, Milton Nascimento passou os últimos anos lapidando aquele que pode ser um dos projetos mais emblemáticos de sua carreira. O show “Milton Nascimento – Tarde”, que teve sua estreia no dia 16 de janeiro de 2015, no Teatro Safra, em São Paulo, não é somente uma reinvenção de Milton, mas sim um salto ainda mais profundo sobre sua tão celebrada obra.

Concebido a partir dos violões sete cordas do impactante duo mineiro formado pelos irmãos Wilson e Beto Lopes e pelo contrabaixo de Alexandre Ito, “Tarde” mostra releituras para clássicos de Milton de uma forma que sua voz ganhou ainda mais beleza e sofisticação diante da simplicidade direta dos arranjos, porém não menos complexos. Outro ponto de suprema beleza deste novo concerto é a viola caipira usada com maestria por Wilson Lopes em clássicos como “O Cio da Terra”, “São Vicente” e “Ponta de Areia”.

Além de ter comemorado 50 anos de carreira em 2012, Milton também celebrou uma série de datas importantes nos últimos tempos, como os 45 anos da música que o consagrou, Travessia, e os 40 anos do disco Clube da Esquina. “Todas essas datas serão lembradas de alguma forma neste concerto. Para isso, foi de extrema importância a presença de Wilson Lopes, responsável pelos arranjos e pela direção musical do show”, revela Milton.

O nome que batizou este novo show, foi uma sugestão do jornalista Marcus Preto, inspirada numa gravação que ouviu de “Tarde” com Milton acompanhado apenas pelo violão de Wilson Lopes que, aliás, é diretor musical na banda que o acompanha desde o disco “Angelus”, gravado em 1993. Já Beto Lopes (violão sete cordas) é um dos  músicos mais respeitados do Brasil, tendo tocado com Andy Summers, Hermeto Pascoal, Toninho Horta, Tavinho Moura e Lô Borges. A dupla de sete cordas e o baixo de Alexandre Ito, sob a liderança de Milton, conduz o público pelos grandes sucessos de sua obra, um dos repertórios mais ricos da música popular brasileira. Mas “Milton Nascimento – Tarde” segue também por outros caminhos.

Entram na lista do show, canções que representam um outro lado do espírito multifacetado do artista, como “Dois Irmãos” e “Sobre Todas as Coisas” (Chico Buarque) e “Sueño con Serpientes” – clássico inesquecível escrito pelo cubano Sylvio Rodrigues presente no disco “Sentinela”, passando pela faixa título “Tarde” e “Idolatrada” (Milton e Márcio Borges), além de “Baião da Penha”, numa performance surpreendente de Milton para a canção de Luiz Gonzaga.  

E mesmo tendo declarado em centenas de entrevistas o enorme carinho por todas as gravações e projetos na carreira, Milton fez uma declaração reveladora sobre o mais novo show. “Conforme íamos preparando tudo, fui adquirindo uma certeza muito forte e, podem acreditar, não tenho nenhuma dúvida de que “Tarde” tem sido uma das turnês mais prazerosas da minha vida” – definiu ele.

(Visited 37 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *