“O Cravo e a Rosa-O musical”, um sonho que virou realidade

Da esquerda para a direita, Rafaela, Izabella e Claudia estão à frente do belo projeto.

A ideia do musical  nasceu paixão de Izabella Bicalho pela novela O Cravo e a Rosa, visto que novelas foram suas primeiras experiências artísticas quando ainda era criança! “Esta novela especificamente foi uma das últimas de direção do Walter Avancini um diretor incrível que trouxe coisas maravilhosas para a TV, entre elas as minisséries “Desejo”, “Rabo de saia” e “Memórias de um Gigolô”. No caso do Cravo e a Rosa (novela inspirada na peça de Shakespeare, “ A Megera Domada”), foi uma novela direcionada para o público das 6 da tarde, que sutilmente discutia a transformação dos papéis do homem e da mulher na instituição do casamento. Um trabalho único que trazia entretenimento e reflexão de forma divertida e emocionante. Portanto, a ideia de fazer um musical veio da paixão que tenho por este trabalho tão significativo”, diz a atriz.

E Izabella não está sozinha. Cercou-se de um time de primeira para montar o espetáculo.

Claudia Elizeu é uma das mais animadas para a estreia. Responsável pela direção do musical, ela conta que também assistiu a novela na época em que foi exibida na Globo e que logo se apaixonou pela trilha sonora. “E a maior parte das canções na nossa montagem foi composta originalmente para o espetáculo, o que dá um sabor todo especial pro trabalho”, diz ela.

Claudia revela ainda que o espetáculo tem uma pegada feminista, e que trazer isso para o público ainda é muito necessário, mesmo que sutilmente. “Eu fui criada em uma sociedade machista, numa época onde nada era falado, nem dentro da minha casa. Mas eu fui à luta e acabei remando contra a maré, porque comecei a trabalhar com 15 anos e logo me tornei independente, algo que não era comum no meu entorno”. Ela frisa ainda que “Não é uma guerra dos sexos; apenas uma luta por direitos iguais!”.

Rafaela Amado assina a direção do espetáculo. Parceira de Izabella Bicalho em outros trabalhos, ela afirma que recorda vagamente da novela, uma vez que não chegou a acompanhar na tv. Mas que o fato de ver inseridos na montagem temas tão pertinentes fez com que ela se sentisse fortemente atraída para entrar no projeto. 

E com relação à abordagem feminista do espetáculo, a diretora (que também é atriz) faz pontuações : “Eu sou de uma família de intelectuais, então dentro do meu universo não cheguei a sofrer discriminações na mesma proporção que outras mulheres da minha geração. Mas acho que precisamos falar muito disso, até porque o preconceito está entranhado nos mais diferentes nichos da sociedade”.

“Uma mulher na posição de comando, que é onde me encontro algumas vezes dentro do meu ofício, precisa ser mais enérgica que o habitual. É mais ‘fácil’ você afrontar uma mulher, porque com um homem ocupando a mesma posição a coisa muda de figura”, diz ela.

O espetáculo é livremente inspirado na novela. Foram usados alguns elementos da dramaturgia da novela, mas também foram atualizadas algumas discussões, visto que a novela já tem quase 20 anos. No musical, a discussão sobre os papéis dos homem e da mulher no casamento e o tema central e tem como pano de fundo, mudanças políticas importantes que aconteceram neste período da década de 20. Outra mudança, diz respeito ao triangulo amoroso de Bianca , Heitor e Professor. Este também ganhou um final inesperado. Tudo inspirado pelas discussões contemporâneas sobre o papel de ambos na sociedade atual. As Sufragistas, mulheres que lutavam pelo direito de voto, também estão fortalecidas na trama.

Izabella diz que inserir uma novela inteira em um musical de duas horas foi um grande desafio, mas as escolhas ficaram bem significativas e divertidas e pretendem alcançar o objetivo de divertir e causar reflexão. É uma comédia musical direcionada para toda a família, dos avós aos netinhos. Em cena estão 20 atores revezando os papeis principais e uma banda com 5 músicos interpretando as canções.

Nós também gravamos um bate-papo descontraído com Izabella, que gentilmente nos recebeu durante um dos ensaios. Na conversa ela fala sobre o prazer de ver esse projeto ganhar vida, e aproveita para lembrar passagens importantes de sua longa trajetória na carreira. (veja logo abaixo o serviço sobre o espetáculo)

O CRAVO E A ROSA – O Musical

SERVIÇO

Teatro PetroRio das Artes (R. Marquês de São Vicente, 52 – Gávea, Rio de Janeiro – Telefone: (21) 2540-6004)

Temporada: De 11 a 15 de dezembro
Horários: De quarta a sábado às 21h, sextas às 17h e domingo às 20h.
Ingressos: R$ 60,00 (inteira) | RS 30,00 (meia)
Classificação: 12 anos

FICHA TÉCNICA

Direção: Rafaela Amado

Musicas originais: Tony Lucchesi e Menelick de Carvalho

Direção Musical: Claudia Elizeu

Texto e Atriz Convidada: izabella Bicalho

Coreografia: Malu Cordioli

Parceria: Ceftem

*reportagem/foto/imagens de vídeo : Léo Uliana

(Visited 417 times, 3 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *