Reynaldo Gianecchini : “Eu só aceito um personagem quando eu penso no quanto ele vai me fazer crescer, como ator e como ser humano”

Reynaldo Gianecchini ingressou na carreira artística meio que por acaso. Mas já no começo dessa trajetória teve oportunidade de ser dirigido por nomes influentes do teatro nacional. O primeiro diretor com quem trabalhou foi José Celso Martinez; e daí por diante vieram outros nomes poderosos. Hoje, o ator tem plena consciência de que essa base inicial serviu para que ele procurasse sempre crescer artisticamente.

No ano 2000, quando estreou na tv protagonizando uma novela em horário nobre, ele foi bastante assediado para trabalhos mais comerciais. Mas aceitou o desafio de encarar o temido Gerald Thomas, com quem fez a peça “O Príncipe de Copacabana”, logo após o término da novela.

“Eu só aceito um personagem quando eu penso no quanto ele vai me fazer crescer, como ator e como ser humano”, diz o ator, que acaba de estrear no Rio de Janeiro com o espetáculo “A Herança”, onde divide a cena com mais doze atores.

Em cartaz desde março em São Paulo, a peça, sucesso de público e crítica, reflete com humor e leveza sobre as transformações dos pontos de vista de diferentes gerações sobre pertencimento, amadurecimento e amor na comunidade LGBTQIAPN+. Mas isso não faz dela uma peça direcionada exclusivamente para a comunidade gay, mas sim para todos aqueles que lutam para que o respeito entre os humanos seja universal.

Gianecchini e Bruno Fagundes, que é ator e produtor do espetáculo.

Reynaldo Gianecchini está muito feliz com a aceitação que o espetáculo teve por parte do público e da crítica. Aliás, elenco, direção e produção já estão indicados para importantes premiações do teatro brasileiro. E talvez seja por conta desse encontro com os palcos, que como ele mesmo diz, “foi o texto mais lindo que já na minha vida!”, que Giane priorize daqui por diante trabalhos em teatro e cinema.

O ator afirma que gosta de fazer tv, mas que não fica tão empolgado com projetos longos, como uma novela por exemplo. “Eu sempre intercalei televisão com teatro; nunca cheguei a fazer duas novelas seguidas. Mas nesse momento eu quero projetos mais curtos. E também gostaria de fazer mais cinema, que é um veículo onde eu acho que ainda não dei um mergulho profundo”.

Essa semana nós fomos recebidos por Gianecchini no Teatro Clara Nunes, onde a “A Herança” fica em cartaz até 22 de outubro. Gentil como de costume, o ator falou da alegria do atual momento profissional, relembrou trabalhos antigos, e ainda revelou que não gosta muito de se ver no vídeo enquanto está envolvido com a tv, o que só faz tempos depois de terminar o projeto.

Com vocês, Reynaldo Gianecchini !!! (vídeo abaixo)

Reportagem e imagens de vídeo : Léo Uliana

Foto “Gianecchini” : arquivo pessoal do ator/Foto “peça” : Gisela Schlogel

Instagram > @10minutosdearte

(Visited 84 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *